30.1.18

a beijinhos

IMG_0064 IMG_0059 IMG_0037IMG_0048

29.1.18

retrato improvável, 4 | video

Lembram-se do retrato improvável com a Inês? Hoje trago-vos um vídeo do dia em que tiramos as fotografias e assim podem espreitar um bocadinho como as coisas são feitas deste lado!

28.1.18

obrigada para sempre

Sem título Sem título 
Olá! Como estás? Sabes que mais, não respondas. Eu não quero saber e a saber gostava que te encontrasses num estado miserável. Ainda assim, aqui estou eu, sinto que tenho que te agradecer pela nossa última conversa. Sim, é verdade. Aquela conversa idiota às seis da manhã que eu sei recitar como se fosse o poema mais bonito que já li, até lhe podia dar um nome: onze anos e nada em comum. Que achas? Sabes que mais? Exacto. Não quero saber. Quero acreditar que esta foi a última vez que me deixaste de rastos, de coração partido e que agora seguimos caminhos separados para sempre. Ah, para sempre, nunca me pareceu uma expressão tão acertada como agora. Mas estou a desviar-me do assunto.  Queria agradecer-te: obrigada. És inspirador. Sempre me fazes escrever mais algumas linhas que apenas a lista de compras e esta sempre foi a minha forma preferida de lidar com emoções. 
não, não, não, é muito cedo para acordar, mas só para hoje ser eu o primeiro (porque eu sei que já estás acordada, quase de certeza) bom dia Martinha. //P. 03/2010

25.1.18

my kingdom, my kingdom for this light

andre | sensivel

20.1.18

série da semana: dark







Isto é assim, se estiverem sem nada para fazer: vejam esta série! Se, por acaso estiverem a fazer alguma coisa: parem e vejam esta série. Mais uma boa aposta do netflix e uma das minhas preferidas de 2017. Recomendei a todos os meus amigos (e ninguém viu, porque vejo séries como se tratassem de curtas de trinta minutos e ninguém acompanha o meu ritmo). 
Em 2019, o desaparecimento de um rapaz gera o pânico entre os habitantes de Winden, uma pequena cidade alemã com uma história estranha e trágica.
Lembra alguma coisa, não é? Stranger Things, eu sei. Desaparecimento, miúdos e miúdos à procura de respostas. No entanto esta não é tão voltada para a fantasia e para os montros de outros mundos, mas mais focada na ciência, religião e uma questão muito especial: o tempo.

19.1.18

If you spend the night with me / I will make it worth your while

Sem título fotografia: lupa.s | titulo: the night - honne

18.1.18

andré nas flores | sensiveis, 1

andre | sensivel

Quando comecei o projeto retratos improváveis houve um grande alarido e recebi várias mensagens a reclamar ~em jeito de brincadeira~ que eu só fotograva raparigas, que só procurava raparigas, que planeava tudo com raparigas. Então, e os rapazes? Não sabia apontar o verdadeiro motivo para a ausência de fotografias do sexo masculino mas a razão mais provável é que não vos vejo como sensíveis suficientes para encarnarem as minhas ideias mais queridas. Ideia um pouco parva, eu sei. Sempre a desfazer os meus preconceitos, comecei a falar com alguns rapazes e segui para mais um desafio: agora tenho as ideias mas os voluntários ficaram envergonhados. ups? 

andre | sensivelandre | sensivel andre | sensivel andre | sensivel andre | sensivelandre | sensivel andre | sensivel andre | sensivelandre | sensivel

17.1.18

o ambicioso senhor parker | mesinha de cabeceira

mesinha de cabeceira: ambicioso senhor parker

Encontrei este livro numa daquelas feiras de livros com livros-que-já-ninguém-quer-de-editoras-que-já-não-existem, conhecem? Nesse dia trouxe dois livros, um que li no próprio dia e o ambicioso senhor parker que me acompanhou por vários meses (foi o livro que demorei mais tempo a ler em 2017). Apesar do tempo longo da leitura foi um livro querido para mim, identifiquei muitos amigos na personagem principal, o Patrick Parker, aliás, até eu me identifiquei com ele, porra, somos todos Patrick Parker! Mais, desafio qualquer pessoa a ler o livro e não soltar uma gargalhada no final. Ah!
Até então, tudo o que tivera fora sonhos de vir a ser hospedeira aérea, conselhos de que se devia centrar nas suas capacidades para a costura e o conforto das palavras da mãe de que devia casar-se um dia e ter filhos e que isso era mais do que suficiente para qualquer rapariga. Não lhe pareceu muito verdadeiro depois de ver a rainha coroada porque, afinal, ela era casada, tinha marido (obviamente) e dois filhos - e, no entanto, governava o mundo - Malaia e África e tudo o resto. Quando Audrey chamou a atenção da mãe para isso, esta disse-lhe para não ser tonta, que a Rainha de Inglaterra tinha sangue azul, o que explicava a diferença. Como Audrey sabia muito bem que o seu sangue era apenas vermelho, aceitou a explicação. O sangue de Patrick era vermelho como o dela. Mas para os rapazes era diferente. (pág. 72)

mesinha de cabeceira: ambicioso senhor parker

Tal como o seu herói, tinha aquilo a que se chamava secretamente uma chama criativa sagrada e tinha que a proteger. Isambard escreveu um dia a algumas mulheres e como Patrick o compreendia agora: «Quero que saibas que, se parecer estar a levar as coisas friamente, é porque as sinto de forma tão aguda que sou a obrigado a manter-me insensível por forma a suportá-las...» (pag. 92)



16.1.18

já vamos a meio de janeiro? | life lately





O tempo passa e passa a correr, mas não sinto que me possa queixar, de todo. A última semana do ano passado foi um desastre e quase arruinou tudo, mas não quero falar, escrever ou pensar sobre isso. Para compensar dois mil e dezoito tem sido um ano simpático e cheio de surpresas.
I keep my heart down low / Fighting is not what I came to do / I keep my heart down low / I keep it from you / Cause I can't go up, down, down / every time you come around. ~ H.D.L de Lewis del Mar
Conto já três livros, duas séries e mais fatias de cheesecake que é impossível contar pelos os dedos das mãos, das duas mãos. Revi o Miguel, sim, o Miguel e tive a oportunidade de partilhar algumas horas e caminhadas com algumas das pessoas-fixes-do-instagram. 
Acorda leoinha, vai rugir lá fora / Te dei 10 minutinhos já faz meia hora / o seu bom dia rouco me dá tanta paz / estica o corpo todo como o gato faz. / leoa, sua pele é boa de beijar / leoa, me faço leão pra te amar. ~ Leoa de Pedro Salomão
Depois de um inicio de ano bem calmo, fui até ao Estoril e passei muitas horas a ver o mar, a ouvir o mar, a rir-me com a Teresa e a partilhar refeições deliciosas. Agora regresso de baterias recarregadas ~ok, agora estou doente, mas em breve estarei melhor~ e é a hora de me dedicar ao trabalho e planear a próxima viagem: Porto. Quem me acompanha numa fatia de bolo de chocolate?
you don't know your time is something that I need to have / I'm breaking all the rules because I've got to have you bad ~ your time de nick murphy
Copyright © gentesentada
Design by Fearne