sexta-feira

30.4.10







sextas, são um dia bom, vá, relaxante. um bom final de semana, garanto-te. educação física, ao meio-dia, e a tarde só para desenho. sextas são os dias perfeitos para vestir camisolas bonitas, fazer tranças, usar all stars, ouvir dead man's bones, sentar à sombra, beber coca-cola & estar com elas.

desculpa, mas vou chamar-te amor


Hoje recebi duas prendas da minha irmã mais velha, um livro, com um nome muito bonito, que gostava de ter sido eu a dizer, "desculpa, mas vou chamar-te amor", de um senhor que se chama Federico Moccia. Na parte de trás diz, "Niki é uma rapariga linda, extrovertida, inteligente, simpática e alegre. Tem dezassete anos, e tanto ela como as suas amigas estão no último ano do secundário. O seu dia-a-dia é pautado por desfiles, festas e raves, entre outros divertimentos. Alex é um «rapaz» com quase trinta e sete anos e acabou há pouco tempo uma relação de longa data. Tem três grandes amigos, Enrico, Flávio e Pietro, que são casados. Alex ocupa um cargo importante na área da publicidade, mas um jovem oportunista contratado recentemente pela sua empresa põe em risco o seu emprego. Certa manhã, Niki e Alex têm um encontro, ou melhor, um desencontro - um desencontro que vai mudar tudo. - Esta linda história de amor reflecte a vontade de reencontrar a liberdade e o desejo de nutrir sentimentos verdadeiros, de amar sem regras nem porquês. Retrata o quotidiano, mas também o sonho, a fuga mais bela, mais louca, mais inesperada: uma fuga de amor. E, depois, aquele farol... Enfim, é um mergulho onde o mar é mais azul!", depois digo-te, se podia ser sobre nós. E a outra prenda, foi uma caixa, com uma mensagem para cada dia, durante um mês, não achas isso uma coisa bonita de se fazer a uma irmã mais nova? eu acho que sim, e aposto que vêm daí coisas bonitas, "e de me partir o coração".

Fazes-me falta, merda - já te disse?

29.4.10


"E dizia eu que tu falavas de mais, gaiata. É verdade que não paravas de falar. Mesmo ou sobretudo sem palavras, com o movimento do teu corpo, a força dos teus abraços em carne viva. Às vezes, sacudia-te, só por aflição, imagina, uns desenrascanços de timidez que me punham as moléculas a ferver - não sabia abraçar como tu, percebes? O abraço que me deste naquele fim de ano, já lá vão doze anos - terei sabido recebê-lo? Alguma vez te abracei como merecias?"

Fazes-me falta - Inês Pedrosa

quartas de tarde

28.4.10


estava eu muito bem a arrumar o quarto quando decidi que giro giro era mudar os moveis todos de sitio, embora tenha deixado esse trabalho a meio, pois os meus vizinhos são pessoas muito pouco compreensíveis. amanhã acabo.

what i wore today

27.4.10



i'm coming home

26.4.10



Tu tem cuidado, que eu não preciso de muito para me apaixonar, para suspirar por ti nos corredores, e pelos cantos da casa, eu não preciso de muito para te imaginar e para te imaginar meu, tem cuidado que as tuas palavras já me deixam um sorriso tonto, as tuas palavras já me fazem desejar-te, desejar-te muito. E ainda mais, sabendo que só eu me apercebo de todo o calor da nossa relação. Quando me roubas um beijo?

ps: este não é o meu quarto, para os mais distraídos & amanhã de manhã corto a franja.

o meu notebook é fixe porque:





tem coisas de outras pessoas.

pequena I.

para um futuro namorado: eu gosto de surpresas, e se envolverem comida, sol, relva e amor, são as minhas preferidas. só para informar, sim?

segunda feira de manhã

na bela companhia do sol, dos passarinhos, do Eça de Queirós, e agora penso muito em ti, lembro-me de ti quase sempre, por todos os motivos, e não quero, não quero mesmo, acabo sempre por concluir - esta mania de me analisar - que fui muito pouco de mim, fui muito pouco para nós e para ti. acabo sempre por concluir que fui muito pouco contigo, não me soube dar e agora mal me conheces. nunca me viste tirar uma fotografia, desenhar, escrever ou dançar no meio da rua, contigo fui nada e não consigo entender como ficaste tanto tempo, quando não tinha nada para te oferecer, quando não tinha nada que te quisesse oferecer. agora olha, tenho saudades tuas, e vontade de te ter, queria que voltasses, e eu juro que se voltasses eu mostrava-te como sei ser melhor. mas tu não voltas

(e no fundo, eu não quero que o faças, deixa-me ter saudades tuas, que ter saudades é quase bonito).

mas os domingos continuam os mesmos.


preguiçosos. e ainda fui à livraria, para comprar um livro novo, mas nenhum puxou por mim, e ponderei comprar, então, poesia, mas não... fica para a semana. comprei uma camisola e uma saia muito bonitas sim, sim. e depois vim para casa, com a manuela comer gelado da família alemã.

there is a tree as old as me

tomás


há uma coisa que se chama vergonha, sabes?

azeitoneira

free as a bird

25.4.10

pedi um desejo

hugo

pedro

she is like the wind

segunda sesta

mais azul na manuela

gostas de amoras? vou dizer ao teu pai que já namoras


(Esta fotografia é da Ana.)

à margem do 'rio'

marta margarida

(amanhã penso num titulo)

anitas

pois é, faço 17 anos.

24.4.10



Once a year we celebrate, with stupid hats and plastic plates, the fact that you were able to make another trip around the sun. And the whole clan gathers round. And gifts and laughter do abound. And we let out a joyful sound. And sing that stupid song. Happy birthday! Now you're one year older! Happy birthday! Your life still isn't over! Happy birthday! You did not accomplished much, but you didn't die this year, I guess that's good enough. So let's drink to your fading health, and hope you don't remind yourself your chance of finding fame and wealth decrease with every year. Does it feel like you're doing laps, and eating food and taking naps, and hoping that someday perhaps, your life will hold some cheer. Happy birthday! What have you done that matters?Happy birthday! You're starting to get fatter! Happy birthday! It's downhill from now on, try not to remind yourself, your best years are all gone. If cryogenics were all free, then you could live like Walt Disney and live for all eternity, inside a block of ice. But instead your time is set, this is the only life you get and though it hasn't ended yet, sometimes you wish it might. Happy birthday! You wish you had more money! Happy birthday! Your life's so sad it's funny! Happy birthday! How much more can you take? But your friends are hungry, so just cut the stupid cake. Happy birthday! Happy birthday! Happy birthday! Happy birthday, dear...

cookie monster, where are you?

23.4.10

i'm scared, but i'm okay.

21.4.10



O que tu não sabes é que durante muitos dias, te escrevi todos os dias (e sim, eu sei o que acabei de escrever), naqueles cadernos pautados de capa preta, sabes? São cinco, e poderiam ser mais , mas decidi acabar com esse hábito no mês passado, agora fazem parte da caixa de memórias, à semelhança de tantos outros cadernos que ali vou guardando. Todos os dias, falei contigo, nunca disse o teu nome, mas consigo encontrar-te em todas as palavras, e sei que tu também te encontrarias se eu te desse essa oportunidade. Naqueles cadernos, que eu nunca gostei, escrevi em todos os dias em que te amei, em todos os dias em que odiei, e até quando me eras indiferente. Falei de alegria e tristeza, descrições de dias inteiros, ou memórias dolorosas. Falei-te do meu bem e do meu mal. O hábito de te escrever era ainda maior que o hábito de querer falar contigo, ou o hábito da saudades, ambos hábitos que não perdi. Hoje, voltei a pegar nos cadernos, li quase tudo o que havia nos dois primeiros, mas já chorava antes das últimas páginas, quis deitar tudo fora, naquele momento, e não me importava que ainda fossem dez minutos à chuva, daqui até ao lixo, eu só queria que tudo parasse, que aquela dor parasse. Mas não, não te deitei fora, não os deitei fora, desta vez, não. Pois percebi, meu bem, que a dor não era de ti, nem de nós, era só de mim, chorava pela minha desilusão, pela minha infelicidade, e assim voltei a guardar tudo com carinho, um sorriso entre as lágrimas.

Fui buscar um novo caderno, um sexto, e escrevi que te amava (e que este mundo, me doí).

quarta-feira, com pouca cor

Estás à minha espera desde do começo da tarde, as tuas janelas não dão para lugar nenhum. Mas eu só posso fazer o teu retrato. As fotografias coladas na parede dizem muito pouco sobre ti. Tu já gostaste de alguém até ao fim de um rio - e então, onde é que está o teu prémio? Sais de casa, o céu corre para ti à altura do cimento. O pouco que te resta nos dedos é esse peso encravado em redor dos olhos. rui pires cabral

why do you sleep alone tonight?



I know it's over, and it never really began, but in my heart it was so real, and you even spoke to me, and said: "If you're so funny, then why are you on your own tonight? And if you're so clever, then why are you on your own tonight? If you're so very entertaining, then why are you on your own tonight? If you're so very good-looking, why do you sleep alone tonight? I know... Because tonight is just like any other night, that's why you're on your own tonight, with your triumphs and your charms, while they're in each other's arms..." It's so easy to laugh. It's so easy to hate. It takes strength to be gentle and kind. (over, over, over, over) It's so easy to laugh. It's so easy to hate. It takes guts to be gentle and kind. (over, over). Love is Natural and Real, but not for you, my love, not tonight, my love. love is natural and real, but not for such as you and I, my love.

Robert Longo


Se um dia, desenhares assim, eu juro, eu caso contigo.

(amanhã penso num titulo)

20.4.10


A I. diz que isto é a minha cara, a minha cara! Mas o que a I. diz, não se escreve. (sim, eu sei.)
Copyright © marta beijinhos
Design by Fearne